• Home
  • |
  • Blog
  • |
  • Loucos de amor, com Breseghello e Maciel

 maio 17

by Aurelia Guilherme

Loucos de amor, com Breseghello e Maciel - Boa Vida Online
Uma amor assim, não se acaba jamais!

Loucos de amor

Nunca classifiquei o amor. Para mim, isso é hipocrisia. Amor se sente, não entende a razão, não tem gênero, não tem regras. O amor é genuíno e não interessa se é compreendido. O amor é simples e, quem o entende assim, certamente não tem medo da entrega São pessoas que conseguem ser bem mais felizes, na maior parte do tempo, do que aquelas que se escondem em uma vida fortuita e de aparências. Não é fácil, eu sei. Mas, é possível se libertar das algemas da moral cristã. Tantos são os exemplos felizes!

Na série: “Loucos de Amor”, apresentamos um casal que serve bem, como exemplo. Para eles, o amor, quando é verdadeiro, consegue se blindar dos estilhaços da sociedade preconceituosa e da HOMOFOBIA. José Reinaldo Breseghello (pneumologista) e André Maciel (psicólogo) fazem juntos, um caminho de muita testosterona. Eles são inteligentes, bonitos, simpáticos, bem sucedidos e dividem desejo e cumplicidade há cerca de 29 anos. No Dia Mundial de Combate à Homofobia, faço questão de entrevistar esse casal. Eles sempre foram “Loucos de Amor” e, um grande romance, é tudo o que precisamos, para iniciar essa série de lindas histórias, que nos motivam a ter esperança de um mundo melhor. Afinal, nós vivemos em um planeta que sofre, não pela falta de dinheiro ou de recursos, mas sim, pelo desamor e falta de compaixão com o nosso semelhante. “Loucos de Amor”, com Breseghello e Maciel:

Loucos de amor, com Breseghello e Maciel - Boa Vida Online - combate a homofobia Aurélia Guilherme – Há tantos anos juntos, nos contem a história de vocês?

José Reinaldo Breseghello – Nos conhecemos em São Paulo, enquanto eu fazia Residência Médica, em Pneumologia. Uma semana depois, eu estava em um congresso, em Curitiba…passa um valete com uma placa, com meu nome: atenda ao telefone! Era ele! Nunca mais nos deixamos!

André Maciel – Brinco até hoje, que eu comemoro nosso aniversário em duas datas. Vou explicar: Nós nos conhecemos em uma boate, mas eu gostei dele primeiro…afinal, eu o paquerei no dia 02 de setembro e ele só me viu, depois da meia noite, já era o outro dia.

José Reinaldo Breseghello – Bem, mas o que importa é que, depois de morarmos juntos por uns quinze meses, em São Paulo, resolvemos nos mudar para Goiânia…ele se arriscou!

André Maciel – Sim. São 26 anos de Goiânia…sem arrependimentos. Quase 28 anos, dormindo e acordando juntos…

Aurélia Guilherme – Hoje se comemora o Dia Mundial contra a Homofobia. Vocês já vivenciaram situações de preconceito e de discriminação?

André Maciel – Por incrível que pareça, vivenciamos sim, dentro da família, nunca fora.

José Reinaldo Breseghello – A partir do momento em que nos casamos, após 25 anos de união, uma parte da família deixou de se relacionar conosco. Já tínhamos testamento, Contrato de União Homoafetiva Estável. Quando nos casamos no civil, com comunhão universal de bens, fomos execrados.

André Maciel – Mas essa situação não afetou nosso dia-a-dia. Muito pelo contrário, nos fortaleceu e tem nos mantido a cada dia mais juntos, a cada dia mais fortes.

José Reinaldo Breseghello – Detestamos vitimites…o papel de vítima não nos cabe!

André Maciel – Aliás, o papel de vitima nunca fez parte de nossas vidas. Pessoas com preconceito e discriminação, sequer se aproximam de nós. Na primeira tentativa, já percebemos e mantemos distância.

Loucos de amor, com Breseghello e Maciel - Boa Vida Online - dia mundial de combate a homofobia Aurélia Guilherme – Vocês consideram que o combate a homofobia, que vem sendo praticado no Brasil, seja consistente e com resultados positivos?

José Reinaldo Breseghello – No geral, não! Na raça e no peito, você se impõe…mas nós temos um “status quo” que nos blinda, mas o rapaz favelado; a mocinha interiorana; o menino que sofre bullying, por ser efeminado…como eles podem se defender?

André Maciel – É exatamente como o Rei disse. Felizmente, nós convivemos com pessoas de mentes mais abertas e com uma visão mais próxima do nosso mundo. Mas, e os outros que não têm esse privilégio? Esses, estão à margem da sociedade e lá, vão permanecer? Consistentes e positivos? Com certeza NÃO.

Aurélia Guilherme – Com toda a homofobia que ainda existe no mundo, nós vivemos em um tempo de menos amarras. As pessoas estão assumindo a opção sexual, saindo do armário mesmo. Quem quiser que as aceite. Vocês entendem esse processo, como uma revolução em diversos aspectos?

André Maciel – Sim. Ainda que discorde, com a assertiva de que, “Quem quiser, que nos aceite”, temos que respeitar a opinião dos outros. Afinal, com todo o progresso que acompanhamos nos últimos tempos, no que se refere ao comportamento humano, alguns itens devem ser observados com maior atenção e respeito. Mas percebemos que, principalmente com relação à homossexualidade, este é ainda um assunto tabu. A revolução ainda está por vir.

José Reinaldo Breseghello – Discordo! Eu não quero ser aceito, não preciso ser aceito, pois não devo nada a ninguém! Sou assim e estou de bem com a vida.

André Maciel – Eu também não quero ser aceito.

Loucos de amor, com Breseghello e Maciel - Boa Vida OnlineAurélia Guilherme – O que o reconhecimento legal da união homoafetiva acrescentou na vida de vocês?

André Maciel – Nos fortaleceu! Nos blindou dentro de uma estrutura universalmente reconhecida: viramos FAMÍLIA!

José Reinaldo Breseghello – Para mim, foi pura alegria: Whooooooo!!! Mudei meu estado civil! Detestava dizer que era solteiro, nessa idade, porém casado há quase três décadas! Mas, legalmente, é bom saber que, se eu morrer, o que construímos é do André!

André Maciel – Esse reconhecimento legal mudou apenas o nosso estado civil, no mais, está tudo igual. Mas, não podemos negar que isso ajudou, ajuda e ajudará muitas pessoas que, por um motivo ou outro, acabam não reconhecendo uma união homoafetiva por medo, ou por preconceito pela própria homossexualidade…

“Na raça e no peito, você se impõe…mas nós temos um “status quo” que nos blinda, mas o rapaz favelado; a mocinha interiorana; o menino que sofre bullying, por ser efeminado…como eles podem se defender?”

                                                                                                               José Reinaldo Breseghello     

“…o papel de vitima nunca fez parte de nossas vidas. Pessoas com preconceito e discriminação, sequer se aproximam de nós. Na primeira tentativa, já percebemos e mantemos distância.”    

                                                                                                         André Maciel                                                                                                                  

Loucos de amor, com Breseghello e Maciel- Boa Vida Online
Um casal que é exemplo de convivência, respeito e cumplicidade. O Universo conspira à favor do AMOR!

share this

Related Posts

Vermífugos são mesmo necessários?

Síndrome de down em show no cinema

Escova Progressiva Segura

>