• Home
  • |
  • Blog
  • |
  • Implantes hormonais para cessar a menstruação

 janeiro 31

by Aurelia Guilherme

Muitas mulheres passam boa parte de sua vida produtiva, às voltas com os incômodos provocados pela menstruação. Todo mês é a mesma história: dores, peso nas pernas e no ventre. Implantes hormonais para cessar a menstruação trazem o alívio na forma de pura tecnologia.

Implantes hormonais para cessar a menstruação
Implantes hormonais para cessar a menstruação são um bálsamo na vida de muitas mulheres. Todos os meses, a indisposição desses dias desaparece. Acabaram-se os dias de dor e peso no baixo ventre

Implantes hormonais para cessar a menstruação

Interromper a menstruação seria tudo de bom. Não faz muito tempo, poderia parecer estranho não menstruar. Mas, hoje, a história é outra. Os avanços nessa área médica estão a cada dia mais acessíveis a quem passa por esses transtornos mensais. Os implantes hormonais para cessar a menstruação caíram no gosto das mulheres que odeiam menstruar. São modernos, práticos e promovem profundo bem estar os 30 dias do mês.

Transtornos ligados à menstruação

Quando o assunto é menstruação, dificilmente encontramos alguma mulher que nunca tenha se queixado desses dias. Temos algumas patologias, em que observamos o aumento do fluxo e/ou duração do sangramento. Seria o caso da miomatose uterina, adenomiose, pólipo endometrial, sangramento uterino disfuncional e algumas coagulopatias. Essas doenças representam situações em que a interrupção da menstruação pode ser necessária. Assim como a endometriose ou a tensão pré-menstrual acentuada, em que a menstruação.

Implantes hormonais

Geralmente depois de 20 a 30 dias depois dos implantes hormonais, a paciente começa a perceber os efeitos consideráveis. Isso varia, é claro, com a reação de cada organismo e com o esquema hormonal escolhido para cada caso. O tratamento é bastante individualizado. 
 
A droga normalmente mais usada para interromper a menstruação é a gestrinona. Administrada via implante subdérmico, baixas  doses são utilizadas, aumentando assim, a sua segurança. 
 

Antigamente, essas medicações eram cercadas de receio quanto aos seus efeitos colaterais. Embora ainda existam riscos, com os implantes hormonais utiliza-se doses mínimas. Este foi um dos objetivos do mestre criador dos implantes, Dr Elsimar Coutinho:

“Qual  método seria eficaz, utilizando-se a menor dose, no maior período de tempo possível?”

E ele conseguiu! Implantes subdérmicos que têm efeito prolongado, com mínimas doses e todos efeitos desejados. Lembrando que quando a menstruação é interrompida, a mulher fica protegida da concepção e não há como engravidar durante o tempo de uso da medicação.

Implantes hormonais podem liberar várias substâncias, dentre elas: estradiol, gestrinona, testosterona, nestorone. Geralmente os implantes hormonais duram de 6 meses até 1 ano depois dos implantes. Pode-se prolongar o tratamento por tempo indeterminado, desde que com acompanhamento adequado.

A paciente pode se manter em amenorréia. A mulher não precisa menstruar todo mês. Pela natureza, todo ano, deveríamos ter uma gestação e um período fisiológico prolongado de amenorréia. Esses vários episódios menstruais mensais,  fogem da fisiologia da procriação. Assim, como a maioria de nós não está disposta a ter uma dezena de filhos, é interessante pensar na possibilidade de não menstruar. Mas sempre em tratamentos individualizados. Cada paciente tem suas peculiaridades. Anamnese com atenção,  bom exame físico e exames complementares podem definir o que é o melhor para cada uma.

Adolescentes e a menstruação

Algumas adolescentes precisam interromper a menstruação. Mas é absolutamente necessária uma avaliação individual. A idade, o motivo para a interrupção da menstruação e investigação da patologia apresentada devem ser analisados de forma cuidadosa. 
 
Leia também:
 
 
#implanteshormonaisparacessaramenstruação #menstruação #implanteshormonais #miomatoseuterina #adenomiose #pólipoendometrial #sangramentouterinodisfuncional #coagulopatias #endometriose #tensãoprémenstrual #gestrinona  #boavidaonline #boavida #aureliaguilherme

share this

Related Posts

Vermífugos são mesmo necessários?

Síndrome de down em show no cinema

Escova Progressiva Segura

>